Aprenda a desenhar a carreira que traz mais felicidade e energia para você, todos os dias!

Assine a newsletter da Adriana Ferrareto para receber dicas de gestão de carreira e liderança.

Você tem fome do quê?
23 de junho de 2014
Queijo mofado
7 de setembro de 2015

rotulogrudentoEstou fazendo um “detox” por orientação da nutricionista, ela acha melhor comer alimentos que contribuam para a saúde física e emocional. Deve fazer bem mesmo, os ingredientes são de produtores locais, alimentos orgânicos e feitos com muito amor por uma Chef que cozinha para alegrar a vida daqueles que precisam desintoxicar, a alma, o fígado que armazena mágoas, ansiedades, estresse, fora os agrotóxicos e medicamentos.

A comida vem em simpáticos potinhos de vidro com etiquetas que logo anunciam: sou retornável. Tudo embalado em papel e amarrado com cordinhas que gentilmente envolvem uma pequena flor, arrematando o ‘presente’ de alimentar-se bem. De fato, um ritual que nos convida a prestarmos atenção aos detalhes, às sutilezas, as cores, aos sabores. Degustar a vida devagar, sentir o sabor de cada ingrediente, lembrar-se do impacto que esse viver consciente traz sobre a saúde, sobre a vida, a comunidade, para o planeta.

Na hora de lavar os potes, comecei a árdua tarefa de retirar as etiquetas com sua cola eficaz que cumpre bem seu irritante papel, a de ser grudenta, difícil de tirar, testando a paciência daquele que tem pressa. Pressa de viver, pressa de resolver logo as coisas, pressa de ser prático, pressa que chegue logo o amanhã e não presta atenção no hoje, no agora. Essa cola grudenta e difícil de ser retirada, em muito se assemelha aos hábitos e pensamentos arraigados, quase sempre desnecessários, mas fortemente grudados em nossa existência. Ao desintoxicarmos a nossa alma, vamos nos deparar com esse grude existencial, que insiste em ficar aonde sempre esteve. Dá trabalho selecionar pensamentos e emoções, escolher aqueles que são orgânicos, naturais e vitais dos intoxicantes, densos e cheios de veneno, que aos poucos vão se acumulando em cada pedacinho do Ser.

Retirar a cola dos rótulos que a vida vai depositando em nossa alma requer persistência, um produto daqueles que derrete a cola, desgruda tudo, livra a alma das culpas, conduz para uma existência mais livre, uma consciência mais apurada, um estar presente que ajuda a escolher e aceitar o peso das dúvidas que as escolhas naturalmente trazem. Tirar os rótulos ajuda a descobrir com clareza o que há no interior do recipiente e apreciar o essencial que cada um possui.

Desintoxicar a vida, as relações, a forma como se trabalha, se pensa e sente, exige um ritual de se envolver em autocuidado, ser generoso consigo mesmo, usar o tempo em seu favor, escolher o que porá para dentro, quem ou o que fica ou não, retirar os rótulos, olhar com sinceridade o conteúdo, rever a forma.

Preciso falar para a nutricionista que esse detox ajudou a eliminar mais coisas do que imaginávamos, mas como os vidros são retornáveis, amanhã virão os próximos com seus novos rótulos grudentos e a tarefa é diária de desintoxicar, descolar, liberar, deixar ir o que precisa ir.

Essa crônica é parte integrante do livro “Vou ali e já volto – 40 anos no deserto”, de Adriana Ferrareto.


P.s: Lembre que existem várias maneiras de se manter atualizado com os conteúdos que crio.

Você pode:

O importante é sempre se manter atualizad@!

Com afeto,

Adri Ferrareto

ARTIGOS RELACIONADOS

Adriana Ferrreto

Strengths Coach certificada pelo Gallup® Institute
Executive Coach Certificada pelo Integrated Coaching Institute (ICI)
Certificação Internacional em Coaching Integrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
×

×
×
×

×
×
×
×
×